Eu,

Eu que me imaginei um hierofante
Vejo-me hoje dissonante ante a balbúrdia do entorno.
Embora diletante, quase sempre,
Carrego minhas crenças, como vida,
E não adorno.
Sempre pronto para um som ou imagem que me encante.

Eu que me distraio
Com inúmeros estímulos
Pinturas intimas de mim mesmo
Emuladas em trêmulas palavras
Eu que me traduzo, tão confuso
Que mais parece foto imagem
Desse meu caos, do que
Exatamente tradução.