Não me decido 

Não me decido
Se é isto

Um vazio

Ou o caos de 

Diversas forças

Que se anulam.
Pouco importa!
Paradoxo

Doer tanto 
Vacuidade
Um grito surdo

Um olhar cego
Tudo o que aqui

Havia 
Já não existe. 
De tudo o que cri

Hoje desdenho.
Roubaram-me

Tudo
Hoje procuro

Firmar-me
Mas é vão 

O esforço
Desde o parto,

O que não é 

Viver

Senão um grito

Ao cortar 

O cordão 

Que te separa

De uma parte de 

Você 
Que não o choro

Angustiado

De quem 

Acaba de nascer
Se repetindo

Dia a dia

Na eterna dor

De pais e filhos
Do abrir os olhos

Pela primeira vez 

Até o ocaso do desfalecer? 
O que é viver?
(Lucas Lima)