Páreo duro

Berra minh’alma
Silencia-se minha voz

Cala-se em meu peito

Um suspiro.
Dias de guerra

A serem vividos 

Com um sorriso e

Uma bela dose

De esperança.
A vida troca papéis

Ela ironiza para comigo

E eu percebo cada nuança

De seus caprichos.
Ela se gasta comigo

Pois sabe que sou páreo duro
Espera-me vida:

Irei vencê-la

Mesmo que apenas

No dia de minha morte.
(LIMA, L. S.)