Insano

Tempestades mentais

Que me atordoam

Sinto meu peito

Em disparada

Falta-me o ar

A cabeça 

Beira a explosão.
Doi-me tudo

Não é o corpo

Que ressente a

Cruel gravidade
É a alma 

Que pressente

A imensa gravidade

De se estar

Vivo.
Debato-me

Em convulsivas

Angústias,

Longos discursos

E debates

Que ocorrem

Apenas na minha mente

Corrosiva

E altamente destrutiva.
Respiro fundo

Pondero meus medos

Dialogo com o real

O que é real?

O real sou eu mesmo

Dentro dos limites

Da minha cogitação

Tendo em dúvida

Até mesmo

A minha efetiva

Existência.
Quem sou eu?