Aos velhos

A novidade já não é o máximo.
Hoje, só me traz enfado.

É novo sobre novo,

Todo dia, o tempo todo.

Não vejo no hodierno

Nada que me salte

Aos olhos.

Resta aprender com os velhos

Cujo grande e principal

Exercício,

É olhar pro nada

Pra apreender tudo

Ah, os velhos

Agora os entendo

Em seu olhar de aprisionados

Em sua lágrima de angustia

Em seu suspiro 

Prolongado

Buscando lenitivo

Para seus aparentemente

Infindáveis minutos restantes

Ah, os velhos!

Cansados do consumo 

Que é acordar todos os dias

Como convosco aprendo…