Odes

Busquei

Em tolas teorias

A minha missão

Algo em que pudesse Crer…

Sonhei

Que era filho de

Um pai do céu

Mas o que pude perceber

É que nada disso

Faz sentido

Se não existir

Amor comigo mesmo

Motivos pra sorrir

Começo a me bastar

E vejo o quanto errado

Eu andei

Sinais e avisos

Em mim mesmo

Que ignorei

Me olhar

No meu caminho

Me aponta

Onde devo ir

Sem medo

De que um dia

Eu tenha que partir

Nada que eu disser

Sera capaz de traduzir

Tudo que ora sinto

Mas o que eu vi

É que é chegada a hora

De deixarmos ir

Todas nossas crenças

Que nos trazem dor

Que nos levam

A nos tiranizar

Em nome do amor

Incoerências mortas

Desde o nascer

Urge que a verdade

Venha a florescer

Destituindo mitos

De seus pedestais

Odes aos sopros

De vida, finitos

E mortais!