Consummatum Est

Toca o fundo
mais profundo
Dos meus medos
Aprofunda a chaga
que me sangra
Deposita as dores
Que propagas
No rol
Do teu insano
Desespero.
Desocupa o
antro em que
Dormitas
Plácida
Como em lápide
Fria e pálida
No recôndito
Palácio de um mundo
Que costumo apelidar
De minha alma.
Volita em terras
Tão distantes
dos domínios
e jardins dos meus
desejos.
Determina
o quebranto do
Consórcio
E o irreversível
descompasso,
dos ensejos.
Relegando-me ao
plúmbeo desconsolo
do irrigar
Silencioso das minhas faces.
No aguardo do nascer de
Um novo dia,
Resignado,
eu sigo taciturno
Acalentando novamente
Minha mente.
Dando um passo
Irreversível
Ao fosso escuro.

Lucas Lima