OMNIA CINIS AEQUAT

Celebrar a morte
Com a vida
Dia após dia.
Sorvo o ar
Que entra-me
Trôpego pelas
Narinas,
Pernas se
Arrastam,
Clamando
Repouso.
Mãos titubeiam
Em espasmos,
Cérebro
Semi convulsionado,
Intensas descargas
De ansiedade.
Um gatilho,
E um tiro me
Ceifa a
Sanidade.
O labor de uma vida,
Sucumbe à demência.
Por isso, hoje,
Eu faço o que
Eu gosto,
Enquanto posso.
Que antes de me
Vir a sentença,
Do derradeiro
Ocaso,
Eu veja a luz,
Em meu derradeiro
Passo.

Lucas Lima