Barbárie

Ela não tem limites
Ela devasta com fúria.
O que é o homem
Se não consumo?
O poder da espada
O poder do brado
O poder do falo
A voz de quem manda
Soterra corpos
Sufoca vozes
Impõe delírios.
A morte é o
Único limite
Somente ela
Coloca termo
Na sanha da
Barbárie.
Quantos jovens
São necessários
Para aplacar a sanha
E a fome do Minotauro?
Quando nos libertaremos
Do labirinto que nós mesmos
Criamos?
Quando guardaremos nas
Entranhas da terra
A nossa ignomínia?
Quando superaremos
O nosso próprio
Impulso bárbaro?
Quando entenderemos
Os riscos de projetar
em mitos, os nossos
Próprios demônios?

Lucas Lima