Para que poesia?



Se em volta
Tudo é terra arrasada.
Se os gritos se calam
E o silêncio berra
Clamando mudança,
Mas ela nunca chega.
Se meus passos vão em direção
Ao abismo da incerteza
Se nem mesmo
O espantamento
Causa rebuliço,

Para que poesia?